Te guardar; Te agradar

Eu lembro das nossas primeiras conversas, lá atrás onde ninguém sabia que eu existia.
E eu lembro bem de como eu fugi quando vi você conhecer alguém.
Talvez eu tenha feito isso por pura proteção, não sei.
Eu me achava pouco pra você, eu tenho esse problema achar que não sou eu, que sempre serei a pessoa errada para a pessoa certa.
E por esses e muitos outros motivos eu fugi. Mas, sempre me lembrava de você, e me perguntava como você deveria estar, se ainda estava com alguém, se...
E depois de eternos anos, de viradas, mudanças bruscas, numa madrugada eu te achei perdido.
Acho que eu estava perdida e por isso te procurei.
Eu queria saber se você ainda conseguia me fazer sorrir daquele jeito fácil, se você ainda tinha fotografias engraçadas...
Eu queria fazer um calendário onde existisse apenas aquele sábado!
Todos meus pensamentos a seu respeito se confirmavam a cada frase, a cada riso que eu conti.
Eu procurava alguém, e pelo que parece tu também.
A gente tinha tanto em comum! A gente sempre teve muito em comum, só não sabia disso.
O problema era que eu não sabia como agir, se eu ficava na defensiva, se eu me jogava, esperava, rezava, ficava aqui ou ia embora. E nesse não saber nós voltamos ao passado, e eu que achava que ele jamais poderia renascer.
Eu me afasto por proteção, por te querer bem demais. Por te querer e só.
Não lembro ao certo quantas vezes nós dois conversamos, mas uma coisa que você disse e que eu vou lembrar pra sempre é "Eu não vou deixar você ficar sozinha, e perto de mim nada vai te acontecer". Foi tão inexplicávelmente bom te ler assim. Eu acho que foi ali que eu te quis de verdade. Eu acho que foi ali que eu pensei em querer alguma coisa.
Por agora, é melhor eu esperar...
E quem sabe imaginar como seria passear com você vendo a rua de madrugada, com aquelas moças que tem trabalho fácil, me trancar no seu quarto sem trancas, fazer surpresas, ser alguma coisa pra ti.
Eu queria me aquietar. Aquietar com você!
Andresa Alvez